sábado, 14 de dezembro de 2013

ÚLTIMO MÚTILO ANAGRAMÁTICO:LIMÃO-DOCE PARA DEMOLIÇÃO estarei de volta em 2014!



Estiagem

Madeficar a madeira
Contra o incêndio
Só uma fagulha em sua madeixa
Meus devaneios áridos
Sugados por um Geiser
Minha urina origina a ruína
Chafariz embioca a cicatriz
A embocadura do Danúbio
A emboscada áquea
O induto minuto
O emboço do pescoço
O fundo do poço é apenas uma opção
Quando o opaco é ácopo  
Torna-se atroz a foz
Tejo como brejo
Limão-doce para a demolição
O verbo já é acerbo
Saporífero quando tudo é insípido
Irrorar como se fosse irrelevante
Irregular o que você escreve em um guardanapo
Coar o coaxar
Como um sapo
Um anuro em Urano
Fui oscitar e engoli um inseto
Isento de limites. 


"A vida é toda um processo de demolição. Existem golpes que vêm de dentro, que só se sentem quando é demasiado tarde para fazer seja o que for, e é quando nos apercebemos definitivamente de que em certa medida nunca mais seremos os mesmos."
Scott Fitzgerald

LÉXICO:
embioca:disfarce,esconderijo
acopo:alivia a dor
saporífero:relativo aos sapos




terça-feira, 3 de dezembro de 2013

A evolução dos números


O polvo 


Tenta com os tentáculos
O Amplexifloro sem despetalar
A Pua Crua não feri
O acúleo ao léo não dilacera
Só o leopardo caça
Sua presa e o êxtase
Horizontal ao Horizonte
Araneiforme existência
Para urdir um cachecol
Para um sete
Que tem forma de girafa
Espera o laço lacônico
Para a forca
Enquanto lia Garcia lorca
Para a Orca
Subtrai um submarino do aquário
Aquecer aquela aquelia
Última era glacial
A metamorfose é a meta
A metade da metáfora
O oito aguarda o coito


"Todas as coisas têm o seu mistério, e a poesia é o mistério de todas as coisas”.
Frederico Garcia lorca


léxico
Amplexifloro: Que abraça a flôr
Amplexo:abraço
Pua:ponta aguçada,espinho
acúleo:espinho
aquelia:falta congênita de um ou ambos os lábios.


terça-feira, 5 de novembro de 2013

Poluição Sonora



Há algo no sushi
mais sutil que
a alga: a alma.
Rogério Viana



Maré Vermelha

Maré traz algas
A valva como vulva
O refúgio da volúpia
Amplifica meu sussurro
Em um sustenido
O cicio é eco do cio
Escuta a batuta
E o maestro no mastro
Rege um Sambaqui não
Tamborim adunco
Sem adular o adufe
Uma toada empírica
Bisar um estribilho
Ária fora da Área
Incerto cetrino
Pargo longe do cardume
Enquanto o sangue coagula
O cárdice não pulsa
Acústica Cáustica
Tímpano como Panóplia.


Léxico

Valva:concha
cicio:Rumor brando
sambaqui:depósito de conchas
adunco:torto
adufe:pandeiro
empírica:adj. Que está relacionado ao empirismo.Que se fundamenta na observação e na experiência, seguindo métodos ou não.
Bisar:repetir
estribilho:verso
Ária:melodia
cetrino:vermelho
Pargo:peixe vermelho
cardice: Espécie de camafeu com um coração figurado em relevo.
camafeu:Pedra dura formada por duas camadas de cores diferentes, numa das quais se grava uma figura em relevo.
Panóplia:Armadura completa de um cavaleiro na Idade Média.

sexta-feira, 18 de outubro de 2013

Mote:Cadeira de balanço



Efeito bumerangue


Quando impera o silêncio
Mixórdia de analogias
Por lapso faltou a Onomatopeia
À beira do colapso
Cedível ao declive
Quadrúpede isócrono
Suscitou o susto
A explosão do petardo
Contra o tempo
Não plágiou o pêndulo
Caos dos tique-taques
Claudica sem clavícula
E a clave de Sol
E a chave do escuro
Quando o vazio  é Mobilável
Utensílio sem cílio
Acepipe para cupins.


Eludir com a elucidação:
petardo:bomba
Mixórdia:Mistura de coisas variadas
Onomatopeia:Vocábulo que procura imitar determinados sons ou ruídos naturais.
isócrono:De duração igual: as pequenas oscilações de um pêndulo são isócronas.
Claudica:Claudicar,Coxear, mancar, andar com dificuldades e puxando de uma perna
Acepipe:guloseima

sábado, 5 de outubro de 2013

Sonhos Lúcidos



Dreams

Drenar o Dilúvio em uma ramela
Quando entro em Órbita
Com essa dresina
Liberdade da resina
Simples malear o onírico
Quando é irônico
Não houve alarme para  os anagramas
Nem aviso do avesso
Acometido por uma matilha de matizes
Mantinha o elã apático
Esticar o vazio como se fosse elástico
Elanguescer todo o viço
Narcolepsia para soçobrar um navio
Estou farto do fator
Quero diluir o dilúculo em caligem
Madrugada de madria
Quando a madrija imerge
Vem à tona o simiesco
Orangotango no losango
Antes que a enxerga verga
Um vislumbre do lume
Desarme minha solidão com seu gáudio.

Ednei Pereira Rodrigues


           John Henry Fuselli _The Nightmare


Poética

De manhã escureço
De dia tardo
De tarde anoiteço
De noite ardo.

A oeste a morte
Contra quem vivo
Do sul cativo
O este é meu norte.

Outros que contem
Passo por passo:
Eu morro ontem

Nasço amanhã
Ando onde há espaço:
– Meu tempo é quando.
 Vinícius de Moraes


Hieroglifos Traduzidos:

dresina:Veículo de quatro rodas, com dois assentos, para correr sobre trilhos de estrada de ferro; trole.
onírico:Sonho.
malear:converter em lágrimas.Elanguescer:Tornar-se lânguido, enfraquecer-se, debilitar-se.
elã:impulso.
Narcolepsia:Sono excessivo que, aparecendo de maneira súbita, incontrolável e sem razão aparente, acontece muitas vezes ao dia.
Madria:ondas.
Madrija:Baleia
simiesco:macaco
enxerga:os dois sentidos da palavra:cama e enxergar.

terça-feira, 24 de setembro de 2013

Escuro Cintilante



Ela foi encontrada!
Quem? A eternidade.
É o mar misturado
Ao sol.

Minha alma imortal,
Cumpre a tua jura
Seja o sol estival
Ou a noite pura.

Pois tu me liberas
Das humanas quimeras,
Dos anseios vãos!
Tu voas então...

— Jamais a esperança.
Sem movimento.
Ciência e paciência,
O suplício é lento.

Que venha a manhã,
Com brasas de satã,
O dever
É vosso ardor.

Ela foi encontrada!
Quem? A eternidade.
É o mar misturado
Ao sol.
Arthur Rimbaud



Sol da meia-noite

The sun sundo  
Cálida Calipígia
Equinócio equilibrador
A Insolação Insolente
Ofusca a lente
Sol solapado
O recôndito dito nas entrelinhas
Solaz para o técnico
Sem motivos para a Aurora
Prélio no Periélio
Afeto só no afélio
Febo como ebonite
Não se precipite para o precipício
A metáfora que se ancora para o Náufrago
Frago da Noite
Dilúculo ridículo
Embora o Sol esteja a pino
Inópia vontade
Com o advento da vaidade
Anagramas para aparar a poesia
Espião do abstrato
Malsim do não sentimento
Negação do rutilo
Asfixiar o néctico
Para se tornar íntimo do Mar.

Ednei Pereira Rodrigues


Glossário Insólito:

sundo:assento(nádegas)

Calipígia:Sinônimo para sundo.
Equinócio:s.m.Época do ano em que o Sol, em seu movimento próprio aparente na eclíptica, corta o equador celeste, e que corresponde à igualdade de duração dos dias e das noites.
solapado:oculto.
recôndito:esconderijo.
Solaz:distração.
Prélio:guerra,luta.
Periélio:Astronomia. Momento, instante, em que um astro se encontra, em sua órbita, mais próximo do Sol.
afélio:O contr. de periélio.
Febo:Sol
Febonite:Borracha vulcanizada, usada na indústria elétrica por suas propriedades isolantes.
Frago:vestígios.
Dilúculo:Alvorecer.
Inópia:Escassez.
Malsim:Sinônimo para espião.
Rutilo:brilhante
Néctico:pode flutuar.

quinta-feira, 12 de setembro de 2013

Ecopoema


Dispersão - Mário de Sá-Carneiro 

Perdi-me dentro de mim 
Porque eu era labirinto 
E hoje, quando me sinto.
É com saudades de mim.

Passei pela minha vida
Um astro doido a sonhar.
Na ânsia de ultrapassar,
Nem dei pela minha vida...

Para mim é sempre ontem,
Não tenho amanhã nem hoje:
O tempo que aos outros foge
Cai sobre mim feito ontem.

O pobre moço das ânsias... 
Tu, sim, tu eras alguém!
E foi por isso também
Que me abismaste nas ânsias.

Como se chora um amante, 
Assim me choro a mim mesmo:
Eu fui amante inconstante 
Que se traiu a si mesmo.

Regresso dentro de mim
Mas nada me fala, nada!
Tenho a alma amortalhada,
Sequinha, dentro de mim.

Não perdi a minha alma,
Fiquei com ela, perdida.
Assim eu choro, da vida,
A morte da minha alma.



 Rumor sem Rumo

Eu dedilhava o dédalo
Tanger a Tangerina
Profundo afeto ao abjeto
Todo ímpeto de adejar é quieto
Aflige a rêmige
O hirto secreto
O vertical
Dentro da vertente arquitetônica
A lógica botânica
Temo o crisântemo
Eu eucalipto
Calisto espero o serrote
Uma fotossíntese artificial
A  cifra  da crisálida
É lida pela pupila
Se não decifra a pupa
Ela punge
Interpretável intestino
Aquele que recogita
A Ostra
Para polear a pérola
Aquele que cogita o breu.

Ednei Pereira Rodrigues


Glossário Hermético

Dédalo:labirinto
Abjeto:Característica ou que é baixo; ignóbil. s.m. Pessoa que possui essa característica; sujeito desprezível.
Rêmige:Cada uma das penas maiores das asas de uma ave.
Hirto:Duro,ereto.
Calisto:má sorte.
Cifra:código
Crisálida:Terceiro estado do ciclo de vida da borboleta. Quando a lagarta atinge o seu desenvolvimento completo, solta a pele e produz a dura casca protetora da crisálida.
Pupa:sinônimo para crisálida.
Punge:Pungir(verbo)ferir.
Polear:Dar tratos de polé a...Fig. Qualquer coisa que aflige ou atormenta.






sábado, 31 de agosto de 2013

Notícia Poética


Medicina Cubana

Colostomia Colorida
Quando o fardo é pardo
Drenar o pranto
Aguardar o parto
Sorver o colostro
Descarto a volúpia
O volume do lume
A escassa escatologia
Uma ilha dentro de uma vasilha
Uma estepe oculta na estepe
Abismo cura este Lirismo dartoso
Estetoscópio para ouvir o estéreo

Quando tudo é etéreo
O átrio no adro
Ainda tinha pulso
Autêntica Autopsia
Vísceras enroladas em charutos
Distribuo Distúrbios.



Glossário dos termos Fósmeos:

Colostomia:Formação cirúrgica de um ânus artificial no cólon, através da parede abdominal.
Colostro:Líquido amarelado e opaco segregado pela glândula mamária durante o período final da gravidez e os primeiros dias depois do parto.
Estepe:Extensão semidesértica com vegetação xerófila, das regiões tropicais e das de clima continental semi-áridas.
Estepe 2:pneu reserva
Dartroso:referente ao darto(herpes)
Etéreo:adj. Da natureza do éter: substância etérea.Que tem o cheiro de éter.
Fig. Que tem algo de delicado, de aéreo, de muito puro: criatura etérea.

Átrio:aurícula do coração
Adro:pátio

sexta-feira, 16 de agosto de 2013

Analogias Suspeitas





A Lesma

Em passar sua vagínula sobre as pobres coisas do chão, a

lesma deixa risquinhos líquidos...

A lesma influi muito em meu desejo de gosmar sobre as

palavras

Neste coito com letras!

Na áspera secura de uma pedra a lesma esfrega-se

Na avidez de deserto que é a vida de uma pedra a lesma

escorre. . .

Ela fode a pedra.

Ela precisa desse deserto para viver.


Manoel de Barros



Extrema-Unção

Uma lesma a esmo
Para esmorecer a bulha
O estouro da bolha
Olha o futuro bolor
O visco voltou ao aprisco
Como licor
Como uma língua limácidea
Ungido mais nítido
Persignar o respingar
Anagramas aparando a grama
Como vacas na vacância
Ordenhar o ordinal
Fim das algas no seu lago
Algarismos quando o raciocínio é ilógico
A álgebra que quebra a vértebra
Franquias para Franz Kafka
Relativo às aftas
Redução ao vácuo
Auxílio mútuo
Mas a mutapa, o zéfiro não conseguiu levar
Um mútico espera o árido.
  
glossário dos termos estrambóticos:

Aprisco:fig.família,casa.
Bulha:barulho
limacidea: Relativo as lemas
Persignar:benzer
Mutapa:ilha que a correnteza arrasta
Mútico:Liso
Zéfiro:Vento




sábado, 3 de agosto de 2013

Monocromático



ICEBERG (Paulo Leminski)

Uma poesia ártica,
claro, é isso que desejo.
Uma prática pálida,
três versos de gelo.
Uma frase-superfície
onde vida-frase alguma
não seja mais possível.
Frase, não. Nenhuma,
Uma lira nula,
reduzida ao puro mínimo,
um piscar do espírito,
a única coisa única.
Mas falo. E, ao falar, provoco
nuvens de equívocos
(ou enxame de monólogos?).
Sim, inverno, estamos vivos.



Nivelar o níveo


Tudo é lepra

Qualquer matiz lépida

Contém caligem

E o verniz que escorre do nariz

Para brunir a bruma

Flocos de neve para florir mogorim(rosa branca)

Todo remorso no dorso

Avalanche para avaliar o grau da chaga

Isopor para iceberg falso

Alude para ludibriar o lúgubre

Eclipsar a cretina retina

Encanecer é necessário

Extrair o látex que corre por minhas veias

Borracha que não extingue achaques

Madeira para o ádito dentígero que range

Hipotermia como hipótese

Para convalescer da cirurgia total de prótese.

terça-feira, 9 de julho de 2013

Natureza Morta



Primeiro tudo que me inspira:

Solitário

Como um fantasma que se refugia

Na solidão da natureza morta,

Por trás dos ermos túmulos, um dia,

Eu fui refugiar-me à tua porta!


Fazia frio, e o frio que fazia

Não era esse que a carne nos conforta...

Cortava assim como em carniçaria

O aço das facas incisivas corta!

Mas tu não vieste ver minha Desgraça!

E eu saí, como quem tudo repele,

- Velho caixão a carregar destroços -




Levando apenas na tumbal carcaça

O pergaminho singular da pele

E o chocalho fatídico dos ossos!
Augusto dos Anjos





Inscrição para uma Lareira


“A vida é um incêndio: nela
dançamos, salamandras mágicas
Que importa restarem cinzas
se a chama foi bela e alta?
Em meio aos toros que desabam,
cantemos a canção das chamas!
Cantemos a canção da vida,
na própria luz consumida…”

Mario Quintana





A solidão mostra o original,a beleza ousada e surpreendente,a poesia.Mas a solidão também mostra o avesso,o desproporcionado,o absurdo o ilícito.
Thomas Mann


Agora de minha autoria:




Verde Escuro

Acesso o avesso espesso
Regresso ao espiral
O Conserto da concha
Simples silêncio
Isolamento acústico
Quando tudo é cáustico
Não foi a fênix
Escorre látex no lençol freático
O fragor da franja
Tudo que freia
A síndrome da sirene
Ninguém buzina para os búzios
Por esta freima
Cautela no caule
Pois os troncos estão retorcidos
Para um ângulo oblíquo.






sábado, 22 de junho de 2013

Para Dilma Roussef


Dilma seja diligente
Saia desse dilema
Estandarte prestes a se dilacerar
Sua pupila vai se dilatar
O lema da lesma
Paulatino progresso
Meu protesto contra esta profusão
Propenso a propelir um burgau à burguesia
Oprimo o opimo
Vândalo com ideias de vanguarda
Contra seu vaníloquo
Insurreição  para insuflar um vento insurgente
Inspiração que vem desse instinto de mudança
Não seja mundana
Tenho munição para essa metamorfose
Um método menálio
Eficaz ao seu mendaz meneio
A metade do meteoro.

terça-feira, 18 de junho de 2013

Anagramas


Ódio desse iodo cicatrizante
Sentir o caos, caso o asco te adornar
Seu ocaso narrado pelo breu
Quando a urbe virar várzea
Para evazar  o recíproco sufoco  
Seria melhor o mar
Para  a memória RAM
Se remoíam dentro de mim
Ensaio para o anseio
Acerbar ao bracear a verga
A náusea foi o motivo do vômito navígero
Perto do torpe
Longe do terso
Tenha sorte em outro setor
Remo para algum lugar ermo
Em outra dimensão menos desânimo
Mais alegria do que alergia.

sábado, 8 de junho de 2013

Guerra Química

poesia inspirada na música de RadioHead No surpises
 


Abraço o enxofre
Antes da catástrofe
Guardado no cofre
Súlfur no abajur
A despeito do abandono
Césio faz cessar toda algia das algas
Algemas no algodão
Silenciador  de escapamento
Escândalo do Escândio
Para escandir o verso
Cloroformização do ambiente
Escaramuça de camurça
Relax com o Antrax
Quieto Cianeto
Cúmplice da poluição
Plissar a pluma
Em suma, flutuar com a espuma.

terça-feira, 28 de maio de 2013

Silêncio


Não direi:
Que o silêncio me sufoca e amordaça.
Calado estou, calado ficarei,
Pois que a língua que falo é de outra raça.

Palavras consumidas se acumulam,
Se represam, cisterna de águas mortas,
Ácidas mágoas em limos transformadas,
Vaza de fundo em que há raízes tortas.

Não direi:
Que nem sequer o esforço de as dizer merecem,
Palavras que não digam quanto sei
Neste retiro em que me não conhecem.

Nem só lodos se arrastam, nem só lamas,
Nem só animais bóiam, mortos, medos,
Túrgidos frutos em cachos se entrelaçam
No negro poço de onde sobem dedos.

Só direi,
Crispadamente recolhido e mudo,
Que quem se cala quando me calei
Não poderá morrer sem dizer tudo.
José Saramago



Aceno Ácido 


Embatucado com o embaçado
Para embair o meneio
Receio de mengar
No embalo do estalo
O embaraço do gesto
Em gesso espesso
Níveo nivelável
Para aferir sem ferir
Pôr em paralelo
Um castelo no cotovelo
Quando o avesso é egrégrio
Faltou um aceno para o acéfalo
Mãos que vêem
Na palma a alma
Dedo macio saiu pela tangente
Tudo que abrange
Quando range a falange
A polidez do pólice
Durma com a mudra.

quarta-feira, 15 de maio de 2013

América Latrina




Esmola em troca de sufrágios
A cúpula da espórtula
Esparge necedade
Impugnável impulso implume
Aos impunes sátrapas
Não me tirem Saturno
Este governo gorjeta
Já dá sinais de saturação
Delírio Demagogo de um pretérito emérito
O suborno é seu adorno
Quebra de decoro
Brasília breca o brado
E a censura é moldura para a tortura
Toda essa desídia designa a desigualdade.

sábado, 20 de abril de 2013

O tempo não é tudo




A cloaca do clock

Hora sem Honra
Desigual ao pêndulo
Dulocracia pontual
Atraente Atraso
Num click resolveu tudo
Abacaxi que abacina
O problema da Ema
A falta de algum animal anil
Mascote para mascarar o bloqueio criativo
Inclusão digital
Protótipo de  Édipo
Sabe, aquela ideia que empaca
Sem ablução
Um link que leva para o Limbo
Ausência do drink
Um escore que escorre.

terça-feira, 9 de abril de 2013

Francisco Alvim




Planície

Uma girafa baba toda a lua
búfalos comem o horizonte
pássaros tombam sob a neve
da montanha perto longe
Binóculos para achar
o leão mais altivo
que inexiste na sombra baobá
Ouço dentro um brusco mar
arremeter rinoceronte


Francisco Alvim


Consoante Ruminante

Atingir o fastígio
Tingirá o gris
Intriga com os alíferos
Eclipsar a elipse
Denegrir a densidade
Alumbrar o alusivo
Lâmpada Acesa
Parvo Vapor
Crase para craniolar o vulto
Outro insulto
Causa tumulto
Vituperar o visto
Vitamina para a neblina
Um vislumbre no timbre
Torpe Livre
Emancipação para emanar esgoto
Não efluir
Arco-íris monocromo
Domo o átomo
Sujeito autónomo
A noite não cabe na cama camaleônica.

terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

Em tempos de meteoros e meteoritos




O caráter da cratera

Vulcão rebaixado para cravo
Venera o verme em sua derme
A puberdade dos cactos
A súplica da estética
Esboço de sorriso
Quando o pescoço é um poço
Gargarejo no balde a balda
É cuspo gardênias
O mesmo que saia da boca dos gárgulas
Cintura sai sem saia
A insipidez da nudez
Pedra para um pecha
Abriu uma pequena brecha na bochecha
Hematoma com seu aroma
Depois do ósculo
Unificação unilateral do idioma
Rimas no prefixo
Caracteres que não significam nada.

domingo, 10 de fevereiro de 2013

Odeio Carnaval Sinônimo de lixo





Falsidade ideológica

Ilusão artificial
Sempre irracional
Sem timbre o mambembe
Quando o vislumbre é meu melindre
Camufla com mufla
Camundongo de camurça
Serpentinas ofídias
À socapa
Sou abstrato
Meu ornato se reconhece com o tato
Similar à um tatu
Inusitada carapaça
Outro regalo
Não me alegro
Anagramas despercebidos
Sentido entristecido
Quando o esplêndido e o esplênio
Confins sem confete.

sábado, 2 de fevereiro de 2013




Insolação

A Hélice com Heliose
Gira devagar
E mesmo assim deixa-me com vertigem
Tanta sandice
Sanduíche de piche
Não tenho fetiche por exposição
Absorve a neblina ao invés da insulina
Após o deslocamento da retina
Arco-íris na pupila
Destila o sangue com Chá de camomila
Enquanto a cáfila seguia minha sombra
Análogo as Dunas
Tenta preencher essa lacuna
Um enxerto de deserto
Vespas Vesicatórias
Crespa sensação
Como se estivesse num frigorífico
Fico sintético.

sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

São Paulo - 459 anos Quando Chove São Paulo parece Veneza!



Insano Oceano

À deriva por salivação excessiva
Eu transbordava
A gota e a gaivota
O pingo e o flamingo
Para aspergir aspas
O áspero que espero
Ela de camisola na gôndola
Ela já está morna
Eu carrego a bigorna
Ninguém segue a norma
Mais uma cova que se forma
Minha sola antiderrapante
Abstinência de antidepressivos
Paroxetina melhora a rotina
Sertralina quando o Sertão virar mar
Escitalopram que se define como pragmática
O  cinza cita citalopram
A fluoxetina melhora o fluxo das águas
Meu Flúor fluorescente.




quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

Primeira de 2013




Notas de rodapé

Descrição sem nada de discrição
Comentários para cometas
Referência ao desequilíbrio
A euforia deu lugar a reticência
O silêncio é  argumento
Formulado com argila
Quem dilata sua pupila
O elefante
O distante ungulado
Excesso de exceções
Quando a regra não foi cumprida na íntegra
Será que a régua ?
Consegue medir a égua
Os Eua estão de fora
Aumenta a xenofobia
Quando o farol de efeito xênon é permitido
Falta néon na placa do Lupanar
Precisa-se de lupa para olhar
Fácil confundir o Alcouce com o Açougue
Quando nada é preciso.