sábado, 28 de agosto de 2010

Amnésia



Sem alamirés

Nenhum alvitre
Sequer eflúvio
Nada mais para alavercar
Vetusto minuto
Secular segundo
Uma hebdômada obsoleta
O centenário do centauro
Nascido hoje
Suicidar-se por estrangulação
Pelo cordão umbilical
A centopéia dentro da centrífuga
Arcaico desejo
Esculpido em penedo
Hieróglifos sem hífen
Brita depois peneira
Encontrado o pechisbeque
Arqueologia de subsistência
No arquivo o quilômetro
Sua alameda no Alasca
Distância que alivia.

sábado, 14 de agosto de 2010

Plágio de mim mesmo



Litólatra 2

Restou apenas o título
Para não ir para o limbo
Epíteto como epítafio
Titubeante tiziu
Como um títere
A restauração
Concerto de conchas
A conclusão
Sou lastro
Ela epiginia
Incompatíveis
Só as pedras da rua da matriz me entendem
Avenidas com avelãs
Aléia aleijada
Tudo às avessas
Há uma esquírola na esquina
Esqueleto esquecido na esquerda
Como esquivar-se da influência deletéria desse ambiente?
Esse sem essência
Esse essa descerrado
O éssedo calcava todos os ímpetos de vingança
Próxima a estação a estafilectomia
Minha úvula fixa à entrada da residência.

domingo, 8 de agosto de 2010

Piscatória 2


Encargo áqueo
Por não ser néctico
Era puíta
Navífrago sem piedade
Fui promovido para âncora
Difícil aquerenciar-se
Um cargueiro atraca no píer
Precisava desabafar desvarios
Difícil não necear
Antes de tudo desabar aquerôntico
Nem todos os rios deságuam no mar
Isto lhe despraz
Algo desabrocha
Não tem pétalas
Mas desafia os oponentes
Com acúleos
O desprezo era sutil
Tão déspota
Que posterga detalhes.