quinta-feira, 29 de abril de 2010

Mais do mesmo




Prisão Preventiva

Dentro da priaca
Prioridade para os devaneios
Gênero de primeira necessidade
Pior se fosse prístino
Réu de retumbar
Recente não sente o pitoresco
Sem receio de piançar
Ricochetear rimas
Nem repararam os priscos
O priapismo
Por seu primor de prímula
A cura
Às vezes mula
Não entende meu olhar lírico
Prolixo quando eu lacônico
Cada piscadela
Equivale a um desejo
Mente liberta de limitações.

sábado, 24 de abril de 2010

Aqui e ALITERAÇÕES em qualquer lugar




Prece para um Precipício

Preciso de um precipício
Para precipitar este preamar
Que me afoga como a presteza de um préa
Precoce suicídio com silício sem prensar
Sem pensar no cilício que pressinto
Antes do préludio que preparo
No prélio esqueci seu prenome sucinto
Minto o que sinto com prestígio
Culpo a pressão atmosférica
Prejudicial ao pretume
Sem perfume na prefloração
Culpo a presbiofrenia
Sem mais preâmbulos no prefácio
Sou precito
À pregar o prego
No seu ego preensor
Ainda pressinto
O óbvio é obtuso no pré-consciente
Quando faltam pretextos.

terça-feira, 20 de abril de 2010

Espaço Esparso3




Metacismo

Onomatomania depois das perseidas
Sua análise meticulosa
Torneia menecma à uma rosa
Torneira exsuda minhas lágrimas
Mogigrafia ao moldar uma escultura
Mogorim seu megálio
Aturde o hálito
Como maresia figura
Quando seu nome rima com meridiano
Tenho como meta
Você planeta
Mais próxima que o Sol diáfano
A utopia da pia
Elemento metálico deflora
A mecânica da metáfora
Rubiginosa memória
Vontade férrea
À deriva de minha epífora
Membrana sinovial leitora
Meio-vôo fértil
Tens pétalas no pescoço
Metade meandros
Por onde eu sangro
No meio de um losango esboço
Um morango volúbil
Mordido pela métrica
Coloria-se com a rubrica
Como seus lábios de rubi
Meio-tom para seus olhos
Trouxe luz
Para meu escotoma que compus
Para meus sonhos.

As Perseidas ou Perséiades são uma prolífica chuva de meteoros [1] associada ao cometa Swift-Tuttle. São assim denominadas devido ao ponto do céu de onde parecem vir, o radiante, localizado na constelação de Perseus.Mais no:http://pt.wikipedia.org/wiki/Perseidas Metacismo é repetição da letra M Onomatomania,dificuldade de encontrar uma expressão ou palavra,Mogigrafia:dificuldade em segurar a caneta ou pena de escrever,Mogorim: rosa branca,Megalio: perfume,o resto nao vou traduzir!!!!!

sábado, 17 de abril de 2010

Viagem Poética 3 :Piauí&Pirineus



Piedade aos piegas

Ardido com pimenta
O pitéu causa pigarro
Indigesto picles verde claro
Servido com piaba e menta
A pianista sonâmbula de pijama
Derrama piche no piano
Drama pitoresco meio desumano
Culpa seu instrumento pitônico que descamba
Por ser pitosga
A liamba fez o cão pícaro
Farejar o píncaro
A pilastra tem lagosta na crosta
Piora o estado de saúde da pitonisa
Pílula no pires diáfano
Mesmo com piaremia que profano
Foi na pindaíba que avaliza
Para o Piauí
Profetizar primícias no picadeiro que obstrui
O primor dos Pirineus sem brisa
A piracema é pivô de um crime
Atrai pirilampos como isca
Para um prisma
De uma pintura íngreme
As piéredes costumavam ser mais modestas
Seminua na piscina
A píton sibila
Seu bote picante às avessas
Fez o bote do pirólatra afundar na aresta
Pisiforme como um pingente
No pistilo atraente
Festa picaresca depois da sesta.

sábado, 3 de abril de 2010

Girafas em meu sonho Lilás


Escrevi isto depois da enchaqueca
Poesia leniente
Remendo que estanca o cruor
Exuberante alucinógeno
Há láudano na lauda
Ambas nesta ambivalência
Antes da exumação
Depois do alude
Aludir a um acontecimento passado
Reminiscências
Apenas uma palavra em um verso
Vaticinar o futuro monocrômico
Aliás o lilás
Sujeita-me a fazer o que não quero
Onde está o verde do verbo?
O índigo que digo desbotou
O fulvo virou fuligem
A fauce
Face a face
Com o fastígio.