sábado, 3 de abril de 2010

Girafas em meu sonho Lilás


Escrevi isto depois da enchaqueca
Poesia leniente
Remendo que estanca o cruor
Exuberante alucinógeno
Há láudano na lauda
Ambas nesta ambivalência
Antes da exumação
Depois do alude
Aludir a um acontecimento passado
Reminiscências
Apenas uma palavra em um verso
Vaticinar o futuro monocrômico
Aliás o lilás
Sujeita-me a fazer o que não quero
Onde está o verde do verbo?
O índigo que digo desbotou
O fulvo virou fuligem
A fauce
Face a face
Com o fastígio.

Nenhum comentário: