sexta-feira, 28 de outubro de 2016

Anagramas Escatólogicos

Torre_de_Galata_Istambul

Torre de Névoa

Subi ao alto, à minha Torre esguia,
Feita de fumo, névoas e luar,
E pus-me, comovida, a conversar
Com os poetas mortos, todo o dia.

Contei-lhes os meus sonhos, a alegria
Dos versos que são meus, do meu sonhar,
E todos os poetas, a chorar,
Responderam-me então: “Que fantasia,

Criança doida e crente! Nós também
Tivemos ilusões, como ninguém,
E tudo nos fugiu, tudo morreu! ...”

Calaram-se os poetas, tristemente ...
E é desde então que eu choro amargamente
Na minha Torre esguia junto ao céu! ...


Florbela Espanca, "Livro de Mágoas"



Émetico

Meu vômito é mais sincero
Do que da sua ideologia afásica
O ápice da Ipeca
Foi involuntário para a rotina
Advento da vontade
Manifestação do âmago
Com Trichofagia para a estética
Anopluro no impuro obscuro
Rapunzel não queria fugir
O retor da torre
Linda era a visão panorâmica do campanário
Manterei o Minarete intacto
Mesmo com a talante ctonofagia
Análogo ao guaripé
Xuri como urim
Ruim para o Rim
Pode ser perfurado com a Acufagia
Péssimo para o Pêssego
Laxante suave com suas flores
Como Ampa em Sampa
Desregulada com seu abebra
Execrável para o Exegeta
Quer ser minha egéria?
Análise o meu vazio.


Ednei Pereira Rodrigues



Conserto a palavra com todos os sentidos em silêncio
Restauro-a
Dou-lhe um som para que ela fale por dentro
Ilumino-a

Ela é um candeeiro sobre a minha mesa
Reunida numa forma comparada à lâmpada
A um zumbido calado momentaneamente em exame

Ela não se come como as palavras inteiras
Mas devora-se a si mesma e restauro-a
A partir do vômito
Volto devagar a colocá-la na fome

Perco-a e recupero-a como o tempo da tristeza
Como um homem nadando para trás
E sou uma energia para ela

E ilumino-a

Daniel Faria, "Homens que São como Lugares Mal Situados"

sábado, 15 de outubro de 2016

Lugares onde nunca estive



Morte não é a esquálida caveira
Dura, disforme, seca e carcomida:
Ela um destroço é, uma caída
Da abreviada, racional carreira.

De ossos e carne envernizada, inteira,
Por vida tem a nossa própria vida.
Come, bebe, passeia, está vestida
E, até morrer, é nossa companheira.

E sombra que sentimos e não vemos,
Segue-nos sempre aonde quer que vamos,
Só nos deixa nos últimos extremos.

A Morte é sempre a vida que logramos,
Pois morte são os dias que vivemos
E, vida, só o instante que expiramos.

Morte não é a Esquálida Caveira
Francisco Joaquim Bingre
Portugal_1763 // 1856 



Évora

Parente da parede rente ao renque
Ente enternecido entrementes
Repensa sem remorso no repouso renhido
Renuente com a refega
Repara na repa para pear o movimento
A repartição que reparti o fêmur
Seu escritório esculpido com estribo reouve o escólio 
O eco do contro contrito
O controle da contusão  
A esclerose que escorre pelo escafoide
Não cumprimenta o hamato como ornato do hall 
A patela como pétala de um patamar distante
Florescem jardins extintos no patético pátio
Macéria para emaciar a fíbula que fica ficiforme
A anca na sanca de um ancestral esquecido
O ísquio na quina para se perder
Próximo do quisto revisto que quita as dívidas
Lembra do letreiro letal
A letargia do leste como lesmas  
Estrutura que estua a estrofe
Estronca o tronco como arrimo.


                                                       Ednei Pereira Rodrigues



 Só é meu

Marc Chagall

Só é meu
O país que trago dentro da alma.
Entro nele sem passaporte
Como em minha casa.
Ele vê a minha tristeza
E a minha solidão.
Me acalanta.
Me cobre com uma pedra perfumada.

Dentro de mim florescem jardins.
Minhas flores são inventadas.
As ruas me pertencem
Mas não há casas nas ruas.
As casas foram destruídas desde a minha infância.
Os seus habitantes vagueiam no espaço
À procura de um lar.
Instalam-se em minha alma.

Eis porque sorrio
Quando mal brilha meu sol.

Ou choro
Como uma chuva leve
Na noite.

Houve tempo em que eu tinha duas cabeças.
Houve tempo em que essas duas caras
Se cobriam de um orvalho amoroso.
Se fundiam como o perfume de uma rosa.

Hoje em dia me parece
Que até quando recuo
Estou avançando
Para uma alta portada
Atrás da qual se estendem muralhas
Onde dormem trovões extintos
E relâmpagos partidos.
Só é meu
O mundo que trago dentro da alma.