sábado, 22 de maio de 2010

Botânica




Há fungos dentro do funil
Emadeirar o metal
Conclusão de um desmatamento
Cogumelo melodrámatico
Sem coima
Na coifa causa coceira
O coice do ginete
O prurido que punge
O pule
O trote de cortar sua crina
O crisântemo em crise existencial
Na cristaleira pensa que é cristal
Antes uliginário
Agora metálico
Agárico que se agarra
Em meu agasalho
Algo álgido
Iguarias iguais
Ígneo no iglu
Aguapé no ágape
O agraço não agrada
Com o agrafo
Fecho os lábios
Deixo tudo ágrafo.

sábado, 15 de maio de 2010

Sobre o tempo


Ocaso

No dia em que meu pai
Não deu corda nos relógios
O clepsidra afunda
Mil náufragos
Soçobro também
Netuno tentou manter a ordem
Faltava harmonia
Haurir hábitos
Não amanheceu
A plenipotência do plenilúnio
Não se ouviu o galicínio
Impera o silêncio
A penumbra
O umbrífero é imbrífero
Em certas ocasiões
Perde-se o controle
Lhana tirania
Seu metodismo metafísico
Metal contra a metáfora.

domingo, 2 de maio de 2010

Niilismo 4




Não Crie Expectativas...

O prazo expirou
Antes do combinado
Detalhes determinantes
Deteriorados pelo óbvio
Ninguém ficou sabendo
O que aconteceu uma hora atrás
Personagens perto do precipício
Procura-se sempre um motivo para abandonar tudo
Faltar com conhecimento de causa
A causa de uma doença
Cauterizar uma ferida
Cautela para tudo
O cacau não libera mais endorfina
Fina endrômina
O cérebro não é mais cerebrino
Não há nenhuma cereja na cerejeira
Onde está Ceres?
Não sinto mais fome
Sem cerimônia para o que cerro
Antes era tudo cérulo
Certificado para a certeza
Errante rancor
Não dê atenção aos meus sentimentos.